Rio de Janeiro - reportage

Dinheiro para compra e demolição do Museu do Índio custearia reforma, diz especialista

Isabela Vieira Repórter da Agência Brasil - 22 janvier 2012
Rio de Janeiro - O dinheiro investido na compra e na demolição do prédio do antigo Museu do Índio, que ultrapassa R$ 60 milhões, pagos pelo governo do estado, dava para investir na recuperação do imóvel. Atualmente ocupado por cerca de 20 índios, o local será esvaziado e demolido.
Rio de Janeiro - O dinheiro investido na compra e na demolição do prédio do antigo Museu do Índio, na zona norte do Rio, que ultrapassa R$ 60 milhões, pagos pelo governo do estado, dava para investir na recuperação do imóvel. Atualmente ocupado por cerca de 20 índios, o local será esvaziado e demolido assim que o governo estadual tiver um mandado judicial.

“O governo esta comprando esse imóvel do governo federal para poder demoli-lo. Depois, vai pagar pela demolição. Ou seja, juntando essas duas quantias, é dinheiro suficiente para recuperar o imóvel, [a demolição] não faz sentido”, declarou o professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Anderson Magalhães.

Segundo a Casa Civil do estado do Rio, foram pagos R$ 60 milhões pelo imóvel e estão previstos mais R$ 586 mil pela demolição, contratada pela Secretaria Estadual de Obras.

Na avaliação do professor, a desculpa do governo para justificar a demolição - de facilitar a mobilidade dos frequentadores do Estádio Jornalista Mario Filho, o Maracanã - encobre a intenção de construir um estacionamento no terreno.

“O argumento de que tem que demolir para dar vazão [aos torcedores] é furada”, disse Magalhães. “Digamos que essa é a desculpa escondida, porque o governo alega que precisa de espaço no solo para dispersão do público a pé. Mas os cálculos, dizem que não [que o prédio não atrapalha]”.

De acordo com o especialista, que fez um estudo sobre o escoamento dos torcedores para a Defensoria Pública da União (DPU) no Rio de Janeiro, é “tranquilamente” possível dispersar o  público “com folga” do estádio. Ele lembra  que a arena, que já recebeu 190 mil pessoas na final da Copa do Mundo de 1950, terá capacidade reduzida para 76 mil torcedores após a reforma, em maio.

A demolição do prédio pode ser decida a qualquer momento pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), que julga um recurso contrário à demolição apresentado pelo Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro. Na ação, o procurador alega que o imóvel tem valor inestimável e deveria ser protegido.

“O prédio tem solução, as paredes foram construídas com espessura grossa e nenhuma está abalada. As lajes se assentam sobre via metálicas, coisas bastante forte. Está tudo tranquilo, o que há é uma deterioração da cobertura e esquadrias”, descreveu Magalhães, sobre o prédio, em ruínas.

Perguntado sobre a decisão do  prefeito Eduardo Paes de autorizar a demolição do antigo Museu do Índio, contrariando parecer do Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio, o arquiteto da UFRJ, diz que o que chama de “canetada” tem interesse políticos e é um contrassenso. Segundo ele,  mesmo sob pressão, o conselho “tomou uma decisão corajosa” de manter o prédio em pé.

“É uma afronta porque o conselho tem representantes de diversos  órgãos e entidades sérias, como o Instituto dos Arquitetos [do Brasil] e pessoas nomeadas pelo prefeito. Quando ele convida essas pessoas [para o conselho do patrimônio], está confiando na capacidade deles, não são técnicos recém-reformados, são pessoas com larga história na área de patrimônio”, criticou

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse hoje (15) que a decisão levou em conta o desenvolvimento no entorno do estádio e a melhoria no fluxo de pessoas. “Conselho é para aconselhar. No meu despacho, colocamos o dilema da preservação do prédio que tem algum valor histórico e o interesse da cidade. O chamado Museu do Índio é um espaço que nem preservado é”, argumentou.

Construído há 147 anos, o prédio do antigo Museu do Índio abrigou a sede do Serviço de Proteção ao Índio, antecessor da atual Fundação Nacional do Índio (Funai). De 1953 a 1977, o museu, criado pelo antropólogo Darcy Ribeiro, funcionou no local até ser transferido para outro bairro.


  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • linkedin
  • Mixx
  • MySpace
  • netvibes
  • Twitter
 

ÉVÉNEMENTS

SORTIR À PARIS

Seydou Keita sans titre 1953-Tirage argentique-Genève comtemporary african art collection

NEWSLETTER

BRÈVES

USA : Culte à la Haine
L'arme utilisée en 2012 par le vigile George Zimmerman pour abattre Trayvon Martin, un adolescent noir, non armé, a été vendue aux enchères outre-Atlantique, pour la somme de 250.000 dollars.
 
Record pour la légalisation de l'herbe
42 000 personnes ont défilé à São Paulo, au Brésil, pour la légalisation de la marijuana. Un record en la matière.
 
Opens vacancies for foreign reporters in Rio
The Pública Residencies Program will offer a grant and accommodation for those interested in investigating human rights issues connected to the Olympics in Rio de Janeiro. (Micmag partner)
 
Festival du journalisme vivant

Premier rendez-vous du genre, l’événement réunira des journalistes du monde entier et se tiendra les 29, 30 et 31 juillet 2016 à Couthures-sur-Garonne.

 
150 arquitectos Americanos en Cuba para restaurar La Habana
Llegaron a La Habana el 21/04 como parte de los esfuerzos conjuntos con sus homólogos cubanos para restaurar la grandeza del patrimonio arquitectónico de La Habana Vieja.

FACEBOOK

Facebook