24-03-2011 11:14:02

Pontos de cultura permitem integração da população

Projeto destina verba à compra de equipamentos multimídia para realizar projetos culturais, permitindo o resgate e a difusão da cultura brasileira.
Por Leonardo Martes - Juiz de Fora (Brasil)


O Governo Federal, em 2004, através de uma parceria com diversos produtores de cultura da sociedade civil, que ao longo dos anos foram aumentando consideravelmente, criou os chamados Pontos de Cultura. O programa consiste em receber, através de edital público, projetos de diversas entidades culturais espalhadas por todo Brasil, com suas formas de expressão cultural (grandes cidades, favelas e periferias, pequenos municípios, aldeias indígenas, assentamentos rurais, comunidades quilombolas, universidades, etc), para ampliarem suas atividades culturais já exercidas ou disseminarem seus conhecimentos através de cursos e oficinas. Se o projeto for aprovado, as entidades beneficiadas passam a ter o estado como parceiro.Esta iniciativa do Ministério da Cultura ajuda a amenizar a situação de produtores culturais locais que não possuem recursos próprios para produzirem seus trabalhos artísticos. Atualmente existem mais de duas mil parcerias espalhadas por todos os estados brasileiros, inclusive do Distrito Federal, permitindo o acesso à cultura a milhares de brasileiros. Com a captação das verbas, grupos teatrais oferecem oficinas de teatro e peças gratuitas ou a preços muito baixos à população; fabricantes de instrumentos musicais dão oficinas de construção e de como tocá-los; quilombas e indígenas registram e promovem suas tradições, grupos ligados ao hip-hop, ao circo, a tradições como maracatu, bumba-meu-boi, folias-de-reis ganham apoio em sua arte; produções áudio-visuais são viabilizadas, instituições como museus, centros culturais, bibliotecas, cineclubes, rádios comunitárias são valorizadas e uma infinidade de outros grupos, que até então, só contava com o esforço e a boa vontade de seus integrantes, passa a poder planejar a execução de suas atividades, além de transmitir seus conhecimentos e sua herança cultural. Em um país de vasta cultura, apesar das históricas ausências de políticas públicas e de recursos disponibilizados para esta área por parte da federação, trata-se de uma revolução. Na era da informatização, em que as tecnologias para a produção cultural estão mais acessíveis, graças à queda no preço dos computadores nos últimos anos e também dos softwares livres e da Internet que possibilita a rápida troca de conteúdo, memórias e tradições estão sendo resgatadas e registradas. Além disso, outros avanços significativos são viabilizados já que parte da verba é destinada à compra de equipamentos multimídia como câmeras filmadoras, fotográficas, microfones, etc. Para garantir que o uso desses equipamentos e para que a produção cultural aconteça com mais qualidade técnica, organizações com expertise em cultura digital se tornam Pontos de Cultura Digital e realizam trabalhos de capacitação profissional, oferecendo cursos e oficinas gratuitas aos Pontos de Cultura que muitas vezes se estendem à população não diretamente ligada a eles.

"O Regate da cultura popular"

Este projeto permite aos brasileiros fazerem o resgate da cultura popular, patrimônio inestimável no Brasil, que conquista uma população que antes só valorizava a cultura erudita ou o entretenimento da indústria cultural, além de ter papel ativo na produção e difusão cultural que é disponibilizado fisicamente à sua região e também através da Internet no mundo inteiro.

Enquanto o Brasil continuar progredindo com a universalização do acesso à Internet, importante instrumento para países que almejam a liberdade de comunicação (veja o caso do Egito e da Líbia recentemente), expressão e inclusão de seus cidadãos, o Programa Cultura Viva, ao qual os Pontos de Cultura estão ligados, ganhará um avanço significativo ainda maior. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estima-se que as atividades realizadas pelos Pontos de Cultura já chegaram a mais de 8 milhões de brasileiros, entre os quais participam ativamente da produção cultural e como espectadores. Esta experiência brasileira está sendo adotada por países em diversas partes do mundo, em especial os da América Latina como Argentina, Chile e Uruguai. Os Pontos de Cultura são frutos do diálogo entre o Estado e uma parte da sociedade civil e representam uma inovação para produtores, artistas e todos cujos que admiram a cultura brasileira.















































 

Eventos

Destaques de París

Réunissant objets, images et films rares, l’exposition  « Jamaica Jamaica ! », jusqu'au 13 août prochain au Philharmonie de Paris, rend compte des multiples facettes de l’histoire de la musique de cette île minuscule, du reggae jusqu’aux musiques urbaines contemporaines (lDJ, sound system, remix, dub…).

Du 24 février au 20 août 2017, le Musée d’Art moderne de la Ville de Paris présente une exposition retraçant l’ensemble de la carrière de l’artiste néerlandais Karel Appel, des années CoBrA à sa mort en 2006.

Picasso, Léger, Matisse, Braque, l’exposition "21 rue La Boétie" retrace le parcours singulier de Paul Rosenberg, l’un des plus grands marchands d’art de la première moitié du XXe siècle. Jusqu’au 23 juillet au Musée Maillol.


NEWSLETTER

Petites Annonces gratuites

Pour annoncer, vous devez vous connecter.

Si vous n'avez pas de compte, créez en un.

Une fois connecté, cliquez sur vos annonces, pour gérer vos annonces.



Notícias

El día de Sant Jordi

Le 23 avril, les Catalans 
ont pris d’assaut les 
ramblas de Barcelone,
ville berceau de la fête 
mondiale du livre

pour aller à la rencontre 
de  leurs auteurs 
préférés et échanger 
des roses.

 
 
Président Candidat star du buzz
Poutou, candidat président quasi inconnu à la TV a fait en 12h plus d'1 million de vues sur le web avec des questions qui s'imposaient sur les candidats accusés de corruption.
 
Gros succès du cinéma latino américain en France
Le cinéma latino américain dépasse le million d'entrées en France en 2016. En savoir plus...
 
Le Cambodge, paradis pour européens fauchés
Le Cambodge est l'un des pays les moins chers du monde. Retraités, chômeurs ou marginaux sans revenus d'Europe l'ont choisi pour y vivre en expatriés heureux.