21-06-2011 19:45:40

Brasil: inverno bucólico das artes

Artistas de todo país se reúnem em Minas e Região Serrana do Rio para aquecer festivais culturais e boa gastronomia.
Por Leonardo Martes (Juiz de Fora/MG – Brasil)


A chegada do inverno no próximo dia 21 de junho, apesar do frio, traz boas oportunidades de entretenimento e aprendizado. Do início de julho até meados de agosto, cidades históricas de Minas e da serra fluminense se preparam para receber variadas atrações artísticas e da gastronomia, como apresentações musicais, teatrais e de dança até as oficinas dos mais variados gêneros. Petrópolis, Piacatuba, São João Del Rei, Ouro Preto, Mariana e Diamantina são algumas das inúmeras localidades por onde o movimento artístico-cultural tomará conta de locais públicos e privados neste período, além, é claro, de Juiz de Fora, que, entre os dias 17 e 30 de julho, mais uma vez será sede para a realização do 22º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, cuja maior expectativa é em relação à apresentação do Grupo Uakti, no dia 22 de julho.

Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, é a primeira cidade a entrar na onda dos festivais de inverno. De 1º a 17 de julho, serão mais de 40 eventos espalhados pela cidade imperial. A programação, segundo informações da professora da Escola de Música da UFRJ, Myrian Dauelsberg, sempre é elaborada com ênfase especial para a música clássica e concebida com o intuito de formar novas platéias para o este gênero. Myrian também assina a direção artística do festival.

Antes das apresentações dos concertos, neste ano haverá ainda palestras. E uma grande novidade é a abertura para a cultura popular nesta festa, cujo destaque fica por conta de atrações como a Orquestra Voadora e seu carnaval fora de época (dia 3), “Os saltimbancos”, peça teatral dirigida por Maria Lúcia Priolli e coreografada por Ruben Gabira (também no dia 3), Zeca Baleiro (dia 7) que comemora 13 anos de carreira, e a exibição do filme “O samba que mora em mim”, de Geórgia Guerra-Peixe (dia 9). Entre as apresentações eruditas, atenção especial para a Orquestra Sinfônica de Barra Mansa (dia 17), que mostra o ponto alto de educação musical desenvolvido na cidade que leva o ensino de música a alunos da rede pública municipal de educação. Mais detalhes acesse www.fipet.com.br.

Entre os dias 8 de julho e 7 de agosto, acontece a 43ª edição do Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ele será realizado nas cidades históricas de Tiradentes e Diamantina; na capital mineira Belo Horizonte, Brumadinho e Cataguases, na Zona da Mata. De acordo com o professor Maurício Campomori, diretor de Ação Cultural da UFMG, o objetivo é apoiar o desenvolvimento da cultura, da arte e do conhecimento em diversos espaços. “As atividades estarão predominantemente relacionadas ao pensamento cinematográfico, ao vídeo e às mídias digitais”, destaca Campomori. “Nosso objetivo é que o evento funcione como uma teia de ações que se irradiam pelo estado”, explica o professor, ao falar da multiplicidade de temas e destinos da mostra que, na década de 70, ocorreu em 14 cidades simultaneamente. Para ele, “isso é típico dos artistas e de seus espaços de produção. O festival vive o mesmo processo, pois funciona como um corpo vivo, pulsante”, conclui. Outras informações acesse www.ufmg.br/festival.

A bela cidade histórica de Ouro Preto, terá seu aniversário comemorado durante o Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana, que acontece entre os dias 8 e 24 de julho. Para abrir o evento, samba de primeira com Dudu Nobre. No dia seguinte, a poesia tomará conta do evento, com declamação durante uma viagem de trem. Grandes nomes da música foram convidados para a festa, como Hermeto Pascoal (dia 15), Milton Nascimento e Orquestra Rumpillez (dia 16), Paralamas do Sucesso (dia 22), Otto e a inseparável dupla Zé da Velha (trombone) e Silvério Pontes (trompete) para encerrar no dia 24.

O festival, que é considerado um dos mais tradicionais do estado, segundo o coordenador geral Fabrício Fernandino sobressai-se pela diversidade de atrações que, este ano, seguem o tema “Vilas de Minas”, uma homenagem a Mariana, Ouro Preto e Sabará. As cidades, fundadas em 1711 e conhecidas como Vilas do Ouro, recebem ainda literatura, espetáculos de teatro, exposições e 42 oficinas artísticas. 

NOSSA GENTE

Falou em cultura, pensou em Minas Gerais. Nossa região tem um celeiro cultural invejável e a Zona das Vertentes mantém seu nome entre os encontros de arte. Realizado pela Universidade Federal de São João Del Rei, o 24º Inverno Cultural de São João tem uma perna em Tiradentes. Através de oficinas, exposições, shows e seminários, em diferentes linguagens de cultura e da arte, o evento vai integrar toda a região. Marcos Vieira, coordenador geral do evento, diz que “todo ano, há pequenos cursos para iniciantes e profissionais de arte e cultura e oficinas específicas para entidades e associações locais”. Sobre os espetáculos apresentados, ele afirma que, além da seleção feita por meio dos inscritos no edital, sete coordenadorias temáticas sugeriram peças e shows. Os recursos foram captados através das leis de incentivo à cultura estadual e federal. O encontro acontecerá entre 16 e 30 de julho.

O violoncelista Jaques Morelenbaum e o percussionista Naná Vasconcelos, são a novidade para o festival. Os nomes dos músicos foram confirmados entre os oficineiros desta edição que presta homenagem aos “Sentidos do Corpo” em suas mais diversas formas. O tema, segundo Marcos Vieira, vai dialogar com as principais atrações, como o espetáculo “Tatyana”, da Cia de Dança Deborah Colker, um dos destaques da programação que pode ser conferida no endereço eletrônico www.invernocultural.ufsj.edu.br. O professor Alberto Ferreira da Rocha, pró-reitor interino de Extensão e Assuntos Comunitários da UFSJ, promete que a oficina vai “extrapolar os termos físicos do corpo e abordar suas possibilidades e seus vários sentidos”.

SABOR DE MINAS

A aconchegante Tiradentes, em agosto, volta a ser movimentada pelo sabor. Na segunda quinzena do mês, a cidade histórica abre as portas para o seu Festival de Cultura e Gastronomia. Lugar para chefs renomados e ainda não definidos, o local exibe jantares exuberantes, palestras e cursos, a maioria, de acordo com a organização, voltada para a autêntica cozinha mineira.

Antes disso, o sabor de Minas é destaque na pequena Piacatuba (distrito de Leopoldina), onde será realizado, entre os dias 27 e 31 de julho, o 9º Festival de Viola e Gastronomia. A produção valorização da música de Minas são algumas das premissas da mostra, que traz apresentações marcantes de violeiros como Zé Mulato & Cassiano, Almir Sater, Elomar, Pena Branca, Pereira da Viola, Xangai, Célia & Celma, Orquestra de Viola, Chico Lobo, Geraldo Azevedo e Viola Urbana. Outras atrações você confere no site do festival www.festivaldepiacatuba.com.br. Maria Lúcia Braga, uma das organizadoras do festival (que conta com o apoio da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, de Cataguases), diz que “não contente em trazer esses grandes artistas, o Festival de Viola presta um serviço à cultura brasileira e tem uma mostra competitiva disputada em duas etapas – regional e nacional – para apontar novos talentos”.

Maria Lúcia comemora as 35 mil pessoas que vieram prestigiar o festival em 2010. “Razões para isso não faltam. A primeira, chega a ser óbvia é a qualidade das atrações musicais. A outra são as delícias oferecidas em restaurantes e bares. Ou seja, em um mesmo lugar, podem ser encontradas duas das maiores paixões dos mineiros: a música de viola e a culinária das Gerais”, engrandece a organizadora, confiante de que o cenário bucólico e a arquitetura predominantemente do século XIX, agregados à natureza exuberante do mar de morros da região, pode ser a principal chave para a hospitalidade e gentileza que, nesta época do ano, são a cara dos festivais de inverno.



1
 

Eventos

Mundo vintage (clicar no título)

Stéphane Faucourt, collectionneur Star Wars

Avec ses quelque 1 200 pièces, Stéphane Faucourt est en possession de l’une des plus importantes collections européennes de produits et documents dérivés de la saga « Star Wars ». Il est aussi l'auteur de livres de référence sur le sujet. Lire la suite, ici.

Destaques de París


Paris - Jusqu'au 5 septembre 2022
Allemagne / Années 1920 / Nouvelle Objectivité / August Sander

Photo, peintures, design, ciné, littérature et même musique. Beaubourg offre un petit voyage dans le temps en nous immergeant dans l'Allemagne des années 20, juste avant l'arrivée du nazisme, lorsque les artistes se font le miroir d’un monde froid, où la désillusion règne en maître...
Centre Pompidou (Musée national d'Art moderne) | Musées à 4e arrondissement, Paris (timeout.fr)

Centre Pompidou (Musée national d'Art moderne)
Transport
Métro : Rambuteau
Prix
De 11 à 14 €
Heures d'ouverture
Tous les jours (sauf le mardi), de 11h

Notícias

Roy Orbison : pur rock
Ce documentaire présente un émouvant portrait de Roy Orbison, de ses proches et des artistes qui l'ont connu. Sur Arte le 5/08 et disponible en replay jusqu'au 13/12/22Roy Orbison : pur rock - De "Pretty Woman" à "Only the Lonely" : des tubes de légende - Regarder le documentaire complet | ARTE
 
Des sommes colossales pour Basquiat
Jean-Michel BASQUIAT pèse à lui seul 14% du Marché de l’Art Contemporain mondial. Trois toiles remarquables de cet artiste ont dépassé cette année à Hong Kong les 35m$ chacune. Nouvelle place forte pour la vente des plus beaux Basquiat, Hong Kong fait désormais le bonheur des collectionneurs asiatiques,
 
Le Saint-Pétersbourg Festival Ballet contre la guerre

En tournée en France, le Saint-Petersbourg Festival Ballet observe, avant chaque représentation, une minute de silence avant de lancer le spectacle avec l'hymne national ukrainien.

 
Guerre en Ukraine
La statue de Vladimir Poutine retirée du musée Grévin. C'est la première fois que le musée retire un personnage en lien avec des événements historiques.
 
Un dessin de Dürer vendu 26 euros dans un vide-greniers

Estimée à plus de 8 millions d'euros, la « Vierge à l’enfant » d'Albrecht Dürer a été acquise en 2017, lors d'un vide-greniers, pour la modique somme de… 26 euros. Aujourd'hui, elle se trouve dans une galerie londonienne.