Italia - 

Biennale di Venezia 2013 - O mundo delicado da australiana Simryn Gill

Lica Cecato - May 28th 2013
Nossa correspondente Lica Cecato nos revela, na abertura da 55ésima Bienal de Veneza, a obra da artista Simryn Gill no pavilhão da Austrália.

Foto D.R.

Aceitar o processo de transformação significa poder viver sem a ansiedade de querer adivinhar o futuro, significa dar uma chance à vida de cumprir o seu traçado, deixando sinais não controlados pelo homem.

A artista Simryn Gill junto à curadora Catherine de Zegher, na exposição HERE ART GROWS ON TREES, AQUI A ARTE NASCE NAS ÁRVORES, do Pavilhão da Austrália na 55ésima Bienal de Veneza, rasga o pavilhão e abre os tetos, num gesto corajoso e original de mostrar a sua arte.

No filme de 1930 de Jean Cocteau, Le Sang d'un Poète, um murro quebra o vidro de uma janela e uma mão insiste: “de l’air, de l’air”. Sem citar nomes nem país, garanto que foi fato verídico, foram dadas casas à uma pequena tribo acostumada a viver livre, sem teto e sem janelas, sem ruas e sem cidade, e eles não conseguiram se adaptar, a primeira coisa que fizeram foi quebrar todas as janelas. “de l’air, de l’air”. As árvores ultrapassam, viçosas, a fronteira onde estava o teto, onde Simryn abriu enormes janelas, ou seja, retirando quase metade.

Este é o ultimo ano que o pavilhão australiano mantém a sua estrutura original, projetada por Philip Cox. Inaugurado em 1988, concebido com caráter temporário, vai ser finalmente removido, dando lugar ao novo pavilhão idealizado pelo arquiteto de Melbourne, Denton Corker Marshall para a próxima Biennale, em 2015. O novo pavilhão será o primeiro a ser construído no século 21 para o Giardini, que está passando por uma revitalização pela Bienal de Veneza. O artista sonha e nos faz sonhar. O mundo de Simryn Gill é delicado. Prefere que sua obra fale mais do que as palavras,

apesar de saber articular muito bem as palavras, que calçam como uma luva, quando ela toca na qualidade da instabilidade que nos oferece da vida e que ela nos oferece, por sua vez, através da sua arte. Certamente descrever arte com palavras é tarefa árdua, principalmente em se tratando de um trabalho com essas características, que o lugar provoca sensações, que o trabalho, sem medo de ser deixado lá, aliás muito pelo contrário, deixado lá de propósito, para que o tempo possa deixar suas cicatrizes e para que elas, então, sejam minuciosamente documentadas.

Mas, nessa tentativa de descrever, vou convidá-los a entrar: com a luz do teto escancarado, folhas ao vento, barcos que passam, e toda a sonoplastia e cenário que isso comporta, uma entrada de paredes aparentemente brancas e fundo grafite sólido. No fundo grafite, nada. Do lado esquerdo, no centro dos  grandes painéis brancos tem-se a impressão de notar mínimos insetos ou um enorme bando de micro-pássaros desenhados, que começam e acabam no nada, contendo um aglomerado central, que é tão intenso que quase se chega a ouvir. Esses desenhos, na verdade são feitos sobre fragmentos colados de páginas de uma edição da Enciclopédia Britânica de 1968. Para dar uma ideia de tamanho, são meias-palavras, e até menos que isso, e os tracinhos de desenhos são nanquim. Difícil traduzir em fotos ou filmes. Depois de entrar nessa espécie de templo aberto, onde reina a regra de mutação da mãe natureza, algumas outras instalações ou quadros se formam, com diferentes meios. Nesse mesmo andar, numa parte posterior aos painéis, duas cadeiras confortáveis e alguns livros com palavras subtraídas, empilhados, páginas ao vento. Nas paredes, objetos encontrados no dia a dia bordam com o humor e sem aquele gosto de fim-de-mundo, as superfícies lisas, brancas ou grafites, de tampinhas, araminhos, restinhos de plástico, metal, esponja e outros.

I AM A NOTICER, I notice small things. Minor items may have a great value”, diz Simryn. 

Sou uma “percebedora”, presto atenção em pequenas coisas. Coisas “menores” podem adquirir um grande valor.

No andar de baixo, aproveitando a falta de luz natural, ela expõe fotografias que revelam processos de outros trabalhos, como por exemplo a fusão de um meio-círculo de metal, com um diâmetro de aproximadamente 1.40 mts, aberto e oco, que espera chegar a chuva para que se criem reflexos e ferrugem. Os olhos de Simryn não mentem.

“Não separo os afazeres domésticos da atividade cultural ou artística. Comecei a minha arte na mesa da minha cozinha, quando meus filhos eram pequenos. Claro, quando se vive assim, prestando atenção e dando valor mesmo às coisas mais ínfimas, a convivência pode ser dura para os outros, essa atitude pode criar algumas dificuldades de relacionamento, concorda?“

Espero que Simryn Gill me permita essa leitura, como se a vida fosse pulsação, uma dinâmica concebida com a delicadeza que os orientais sabem aceitar os extremos. Aglomeração – Dissipação,  a time to speak, a time to be silenttempus loquendi tempus facendi , um tempo para falar, um tempo para calar. Se o céu não vem até mim, vou até o céu. Gostei de voar através do teto da Simryn Gill, que está publicando para a ocasião um livro consistente sobre sua obra, uma obra viva, em processo de transformação.


Simryn Gill nasceu em Singapura, em 1959. Ela foi criada em Port Dickson, Malásia e educada entre Jaipur, Índia e Reino Unido.

See morehttp://simryngill.com/

http://venicebiennale.australiacouncil.gov.au/venice-biennale-2013/the-artist/simryn-gill-biography/

1
2
3
4

  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • linkedin
  • Mixx
  • MySpace
  • netvibes
  • Twitter
 

Events

Vintage world (Click on the title)

Eté 1967, les Procol Harum sortent le "slow qui tue", "A Whiter Shade of Pale", une des chansons les plus diffusées de ces dernières années et une des plus reprises. Et la dernière version se trouve dans le nouvel album de Santana,"Blessings and Miracles". Lire la suite, ici.


Going out in Paris


Paris - Jusqu'au dimanche 2 janvier 2022
Dalí, l'énigme sans fin

L'Atelier des Lumières vous propose jusqu'au 2 janvier 2022 une balade dans les oeuvres du plus insaisissable des Catalans, Salvator Dali. Une exposition immersive sur une bande son des Pink Floyd. A ne pas rater. Lire la suite, ici.



ATELIER DES LUMIÈRES
38 RUE SAINT-MAUR
PARIS 11E
16 EUROS

News flash

Journée nationale contre le harcèlement scolaire

Depuis le 1er janvier 18 enfants se sont suicidés en France et, chaque année, plus de 700 000 élèves sont victimes de harcèlement scolaire soit près d'un enfant sur dix. En savoir plus, ici.

 
Une messe pour la mémoire d'un cruel dictateur
Le 20 nov 2021 jour de la mort du dictateur Franco a eu lieu une messe à Grenade où assistait le numéro du PP (parti de droite). Une droite qui refuse le travail de mémoire et une reconnaissance des fosses aux 110 000 assassinés
 
Un enregistrement inédit de Lennon mis aux enchères

Estimé entre 27 000 et 40 000 euros, une cassette audio avec un enregistrement inédit de John Lennon va être mise aux enchères à Copenhague le 28 septembre. Il y chante une œuvre inédite, réalisée en 1970 lors d’un séjour méconnu au Danemark.

 
Brésil-Le ministre de l'environnement fier acteur de la déforestation
Cynisme en politique ! Salles, l'ex ministre de l'environnement est un fier acteur pris la main dans le sac du déboisement amazonien pour enrichissement familial.
 
Le salon Livre Paris devient un Festival
En 2022, le Salon du livre change de nom et de formule. Il s'installera, du 21 au 24 avril, au Grand palais de Paris, mais aussi dans la proche couronne parisienne et, à terme, dans toute la France.