Barcelona - voz libre

Um grito desde Barcelona :"a burocracia varre a música ao vivo dos bares!"

Livia Lucas (Barcelona - 11 fevereiro 2013
A cantora e jornalista Micmag, Livia Lucas : A “batalha” diária entre vizinhos x músicos, policia x músicos, a burocracia varre a música ao vivo dos bares de Barcelona, agora nos impedem trabalhar nos poucos espaços que restam na cidade..."

Na ultima sexta-feira 08/02, durante a prova de som que antecedia nosso show de samba-jazz, fomos surpreendidos com uma novidade instalada junto ao equipamento de som do bar. Um controlador de decibéis, melhor definido, limitador sonoro. Um aparelho que mede os decibéis dos amplificadores a partir da primeira nota emitida pelo instrumento e pela voz, e controla seus volumes, ou simplesmente corta a emissão de som automaticamente.
Essa máquina está conectada a uma central, que rastreia o funcionamento desses medidores em cada bar de Barcelona.
"agora nos deparamos com verdadeiras “algemas” artísticas"
Além de implementar a novidade, a casa está sujeita a visitas de inspetores da prefeitura. Nesse caso, se o bar desliga o aparelho recebe uma penalização. Péssima notícia para os proprietários dos locais, para os artistas e para os frequentadores, que "dançam sem música".
Nós músicos, que atualmente passamos por uma série de interpéries para exercer nossa profissão, desde que a tal crise econômica se instalou na Espanha. E agora nos deparamos com verdadeiras “algemas” artísticas, a causa dos novos regulamentos que envolvem a música ao vivo.
Descrevo a situação desde o meu ponto de vista, desde o ponto de vista de quem precisa do mínimo volume para chegar ao público, para ser ouvida e ganhar a vida.
"um limitador de diversão, de arte, da música em si, um limitador da alegria"
Não bastasse a institucionalização da arte nas ruas, a “batalha” diária entre vizinhos x músicos, policia x músicos, a burocracia varre a música ao vivo dos bares de Barcelona, agora nos impedem trabalhar nos poucos espaços que restam na cidade, com um controle desmedido de volume que não supera sequer o ruído ambiente das pessoas no local. Um limitador de comunicação, um limitador de diversão, de arte, da música em si, um limitador da alegria nos "rituais" coletivos.
O episódio incoerente começou no momento em que conectamos os instrumentos e notamos quedas bruscas de volume nas caixas. Constatamos que daquela maneira seria impossível trabalhar. Pois se a banda não se escutava, como faríamos para tocar com a casa cheia? Diante do dilema, tentamos algumas soluções, todas em vão, porém cumprimos com a pauta da noite, pois havia público. Este, compreendendo a nossa situação, colaborou do inicio ao fim da montanha russa sonora que foi aquele show. Sem dúvida o mais desconfortável (tecnicamente falando) da minha carreira. Terminada a apresentação, vem o mais absurdo... a música mecânica soava em alto e bom som. No momento em que o músico desce do palco, já não existem barreiras sonoras. A questão do controle está diretamente ligada à música ao vivo, à música orgânica.
"Mais do que um “coito interrompido”, presenciamos a castração da arte"
A questão nos atinge desde a raiz, pois sem volume não há expressão em meio à multidão, por pequena que ela seja, sem volume não há comunicação, o músico não flui, se não flui não trabalha bem, se não trabalha bem não tem prazer, sem prazer não ganha o público, conseqüentemente deixa de ganhar o pão. O público por sua vez, deixa de ganhar o circo. Se em uma sociedade em plena crise econômica, além de perder-se o pão, perde-se o circo, de que maneira mantemos a chama do entusiasmo acesa?!
Mais do que um “coito interrompido”, presenciamos a castração da arte, do direito básico à liberdade de expressão, uma censura sutil, que termina de minar esse campo, onde tudo o que é natural e nos engrandece, tudo o que nos une, nos faz pensar e criar, necessita permissão para acontecer, e uma vez concedida passa a ser controlada, que classe de paradoxo é esse???
Momentos de Crise são momentos de intensa transformação, uma grande oportunidade de mudança. Não deixemos esvair entre os dedos a chance de repensar nossa importância, nossa atuação diante dos muitos “limitadores” de comportamento que vêm se instalando silenciosamente, e podem nos levar a um silêncio doído, descontente e passivo.



  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • linkedin
  • Mixx
  • MySpace
  • netvibes
  • Twitter
 

ÉVÉNEMENTS

VINTAGE & COLLECTIONS

Flirt avec le rock anglais - Entre succès & histoires pimentées

Qu'auriez-vous- ou qu'avez-vous - écouté dans les années 60 ou 70 ? Micmag remonte le temps et revient sur les titres qui ont le plus marqué l'histoire du rock and roll et vous livre leur "petite" histoire... La suite, ici.

SORTIR À PARIS


Paris - Jusqu'au 12 juillet 2022
Gaudi

Le musée d’Orsay accueille la première grande exposition consacrée à Antoni Gaudí organisée en France à Paris depuis cinquante ans. Elle offre une nouvelle vision de l’artiste en tant que figure unique et singulière, un génie non isolé ayant exercé dans une Catalogne en plein bouleversements sociaux, politiques et urbanistiques. Pour en savoir plus, ici.

Musée d'Orsay
1, rue de la Légion d'Honneur Paris 7e



BRÈVES

Des sommes colossales pour Basquiat
Jean-Michel BASQUIAT pèse à lui seul 14% du Marché de l’Art Contemporain mondial. Trois toiles remarquables de cet artiste ont dépassé cette année à Hong Kong les 35m$ chacune. Nouvelle place forte pour la vente des plus beaux Basquiat, Hong Kong fait désormais le bonheur des collectionneurs asiatiques,
 
Le Saint-Pétersbourg Festival Ballet contre la guerre

En tournée en France, le Saint-Petersbourg Festival Ballet observe, avant chaque représentation, une minute de silence avant de lancer le spectacle avec l'hymne national ukrainien.

 
Guerre en Ukraine
La statue de Vladimir Poutine retirée du musée Grévin. C'est la première fois que le musée retire un personnage en lien avec des événements historiques.
 
Un dessin de Dürer vendu 26 euros dans un vide-greniers

Estimée à plus de 8 millions d'euros, la « Vierge à l’enfant » d'Albrecht Dürer a été acquise en 2017, lors d'un vide-greniers, pour la modique somme de… 26 euros. Aujourd'hui, elle se trouve dans une galerie londonienne.

 
Journée nationale contre le harcèlement scolaire

Depuis le 1er janvier 18 enfants se sont suicidés en France et, chaque année, plus de 700 000 élèves sont victimes de harcèlement scolaire soit près d'un enfant sur dix. En savoir plus, ici.